Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

Sexta-feira, 13 de Julho de 2007
Rotinas....

- Já pensaste porque é que ainda estamos juntos? – pergunta-me ela depois de um longo telefonema com uma amiga comum que nos informou que se ia divorciar de, também, um amigo em comum.

- Sim! Sempre que tu rejeitas os meus avanços! – respondo eu.

- Não sejas parvo. Estou a falar a sério. Do nosso grupo da Universidade somos praticamente os únicos que ainda estamos juntos.

- Queres mesmo saber a minha opinião sobre isso?

- Sim.- pergunta ela, parecendo-me meio assustada com o que eu poderia vir a dizer

- A verdade é que todos os machos no nosso grupo fizemos uma aposta para ver quem é que aguentava mais tempo a aturar uma mulher. Adivinha quem ganhou? – pergunto-lhe - Por isso vou agora ali fazer as malas e vou-me embora, que o meu tempo de clausura terminou.- digo, talvez demasiado entusiasmado com a magnifica representação que estava ali a dar.

- Não estou com vontade de brincadeiras. Este telefonema deixou-me triste. - diz ela, trazendo-me de volta à realidade

- A mim também. Sempre que alguém, a quem fomos ao casamento, nos informa que se vai divorciar, apetece-me pedir-lhe de volta o dinheiro que lhe dei, com juros.- digo, com sinceridade.

- Será que um dia também vamos ficar assim….distantes.-pergunta ela, fazendo a sua habitual cara de preocupada, a qual despertou a minha imaginação de uma forma estranha, tendo acabado por ficar na cabeça com uma imagem da cara de José Rodrigo dos Santos, após ver uma suposta reportagem sobre velhinhas a fazer strip num bairro de Alfama.

- Não sei. Deixa-me ver televisão. - digo-lhe eu, mais com o intuito de libertar da minha cabeça daquela estranha e bizarra imagem de mamas flácidas e cus descaídos.

E pronto. Lá começou ela com conversas de chacha, as quais incluíram uma passagem pelo histórico da nossa relação e a levaram a fazer comparações sem sentido com a actualidade, tendo eu o cuidado de argumentar que nesses “velhos tempos” ainda não tínhamos dinheiro para TV por Cabo.

“Para mim o tema 'rotina num casamento' não passa de um cliché usado como desculpa por homens fracos e mulheres frigidas.” Eis outra das coisas que lhe disse, quando finalmente houve um intervalo no “Boston Legal”. E isto realmente é o que eu penso. Se num casal existe a chamada rotina é apenas porque as pessoas estão fartas. Numa relação a dois não pode haver rotina, a não ser em certas posições sexuais (mas isso deve-se apenas a certas limitações físicas!). A relação num casal deve ser sempre levada aos extremos, tentando alcançar sempre mais uma meta, mais um ponto de referência. E como é que isso se consegue? Provocando as nossas mulheres, claro. Uma mulher provocada é uma mulher que não pensa e uma mulher que não pensa é uma mulher feliz. Afinal temos que nos lembrar que as mulheres, ao contrário de nós homens, tem um defeito genético qualquer que faz com que, quando estão a ver televisão, continuem a pensar.

publicado por Luis às 18:50
link do post | favorito (1)
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



pesquisar