Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

Quinta-feira, 8 de Julho de 2004
As adaptações à nova vida......
Quando temos um recém-nascido em casa deixamos de controlar a nossa vida, ela passa a ser controlada pelo membro mais novo da família, tudo tem que ser feito em função dele, tudo mesmo. Ficamos estoirados, passa tudo a ser feito com os olhos semi-abertos, não sabendo se estamos acordados ou se ainda é a continuação do pesadelo. Mas eles têm uma forma certa de nos levar a fazer tudo o que querem. O primeiro sorriso é mágico (e digo isso no verdadeiro sentido da palavra) pois por mais chateado que estivéssemos com ela por não nos deixar descansar, bastava o pequeno demónio nos sorrir, mesmo quando já estávamos a pensar em deixá-la até ao 5 anos em casa das avós, para que ficássemos todos babados e prontos para mais 24 horas de dedicação exclusiva a sua excelência e com um sorriso nos lábios.
Tinham-me dito que quando tivesse um filho acabava-se o sossego, esqueceram-se de dizer que para além do sossego, também o descanso, os passeios, as saídas, o cinema, a televisão, a leitura, as conversas a dois e inclusive o sexo como o conhecíamos:
- Ela acabou de dormir, pelas minhas contas temos 3 minutos. -dizia-me ela despindo-se
- Achas mesmo que ela vai aguentar 3 minutos sossegada -dizia eu, já nu.
- Sim mas não faças barulho -dizia ela, enquanto abria as pernas.
- Está bem, achas que ela está a aumentar de peso? – perguntava eu enquanto prosseguia os meus movimentos pélvicos.
- Sim mas estou preocupada com as bolhas que tem no rabo – respondia ela entre ligeiros gemidos.
- AAAHHH. Não te preocupes com isso penso que é apenas uma pequena alergia. –replicava eu.
- Siiiiiiiiiiiimmmmmmmm, mas de qualquer maneira vou telefonar à pediatra, só para ter a certeza- dizia ela.
- Bom, qualquer dia a pediatra deixa de nos falar, estás sempre a telefonar-lhe por tudo e por nada- dizia eu enquanto me limpava.
- Está calado e vai buscar o telefone- respondia-me ela enquanto se ajeitava em frente do espelho. Em fundo já se ouvia o choro da minha filha.
publicado por Luis às 22:31
link do post | comentar | favorito (1)
pesquisar