casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Quarta-feira, 23 de Março de 2005
A minha mulher, a minha barriga e eu.....
O facto da minha mulher se fartar de falar da minha barriga, faz-me pensar um pouco sobre isso. Gosta de comentar a mesma quando eu passo por ela mostrando o meu belo tronco nu. “Olha para esta barriguinha linda. Se eu tivesse tanta celulite como tu tens barriga….” Acabo por não perceber muito bem onde é que ela quer chegar com essa conversa. O que raio é que a minha barriga tem a ver com a sua celulite? Se ela quisesse fazer comparações que eu perceba, que compare a minha barriga com o seu peito. Aí sim fazia sentido: “Se eu tivesse tanto peito como tu tens barriga….” Seguido por um suspiro. Agora a celulite? Qual é a comparação aqui? Será inveja? É verdade que tenho um certo orgulho na minha linda barriga. Quando era puto tinha um trauma tramado por ser só pele e osso. Ia levando a minha família à falência, na minha adolescência, devido ao forte aumento nas compras de comida. Fartava-me de comer, só parava quando sentia a barriga bem cheia, mas não adiantava nada. A minha magreza fazia com que tivesse vergonha em ir à praia ou a piscinas públicas. Via as moças a olharem para mim e não sabia se era pela minha magreza ou se era de admiração por verem que conseguia levar sozinho, a toalha de banho, sem cair. Fui para a universidade e assim continuei, comia desalmadamente e de encher a pele, nada. Casei e aí algo finalmente mudou. Comecei a comer menos, por razões que não vou voltar a referir, porque a censura não quer que eu fale mais nos seus cozinhados e diz que agora já cozinha muito melhor e sobre isso eu não vou dizer nada porque estamos em treinos para dar um mano à nossa filha.
Continuando. Comecei a comer menos, mas aí comecei também a ganhar a desejada gordura. Com o tempo essa gordura foi-se acumulando naquilo que é agora o meu orgulho. A minha barriga. E que linda barriga é a minha. Quantas barrigas têm o privilégio de receber elogios do sexo oposto? “Tomara eu que o meu marido (namorado; amante; etc.) tivesse uma barriguinha linda como a do teu marido.” As vezes que eu ouço isto, seguido imediatamente por uma festa na mesma.
Demorou muito tempo a atingir este nível de perfeição. Por exemplo, em relação à flacidez, quantas barrigas existem por aí com uma flacidez digna de qualquer tasca? Eu, para a minha barriga tenho um elevado grau de exigência, tem que ter uma forte componente estética que, com a minha habitual modéstia, faz de mim um artista e não um vulgar barrigudo: A sua linda e perfeita curvatura. A forma como ela faz sobressair na perfeição e simetricamente a minha cintura. A forma como o umbigo sobressai esteticamente de todo o conjunto. A próprio orientação dos pêlos, etc. Isto, meus amigos, é arte bem superior a alguma arte moderna que por aí vejo. Posso até dizer que um molde da minha linda barriga deveria ter um lugar de destaque em qualquer museu de arte contemporânea, pois é exactamente disso que se trata: arte contemporânea.
publicado por Luis às 16:08
link do post | comentar | favorito (1)
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar