casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Segunda-feira, 25 de Abril de 2005
O 25 de Abril......

Hoje resolvemos participar nas actividades existentes, cá na vila, para comemorar o 25 de Abril. Porquê? Não sei. Tem algo a ver com a merda da testosterona que me continua a pregar partidas.
- Amanhã há um passeio de bicicleta até à barragem X seguido de um almoço dado pela Câmara. Vamos? - pergunta-me ela.
- Almoço de borla???? Claro. - digo eu, o estúpido sovina, sem pensar bem no que queria dizer passeio de bicicleta.
Hoje, toca a acordar, tomar o pequeno almoço e preparar as bicicletas. Só quando comecei a suar, por estar a encher os pneus das mesmas, é que comecei a pensar no que estava prestes a acontecer.
- Olha lá, a barragem é longe? - pergunto-lhe eu.
- Não. Acho que são só 10 Km. - diz-me ela.
Penso: 10 Km para lá, mais 10 Km para cá, mais um almoço de borla…..Ok, acho que aguento. Vamos então embora. Ela, com os cinquenta sacos com fruta, água e casacos, no cesto da bicicleta e eu com a nossa filha na cadeira, na minha bicicleta. As coisas começaram logo mal: como partimos fora de horas (demorei algum tempo a recuperar o fôlego por ter que dar ar aos pneus) tivemos logo que fazer um grande esforço, para apanhar o longo pelotão de gente (porra, nunca pensei que existissem tantos sovinas, como eu, cá na vila). E se começaram mal, assim continuaram: não conseguia descolar do carro vassoura. O gajo bem que me tentava incentivar com buzinadelas estridentes, mas não é fácil pedalar com 10 quilos a mais e ainda com a nossa filha (sim, os dez quilos extra são do meu belo corpo). No entanto, nas descidas, este meu peso extra fazia com que passássemos para a frente de quase todo o pelotão. Aí era ouvir os gritos estridentes da nossa filha:
- Embora pai, passa por eles todos. Força pai.
Mas rapidamente era apanhado, nas rectas e nas subidas, pelo carro vassoura e pela ambulância que, estranhamente, também me começou a seguir. Aí os gritos estridentes davam lugar a palavras de incentivo:
- Pai, se não pedalas mais depressa nunca mais te deixo comer dos meus doces.
A minha mulher também me incentivava:
- Bom, estás mesmo a precisar de fazer mais exercício.
MAIS EXERCICIO??? NÃO ACHAS QUE ESTE QUE ESTOU A FAZER VALE POR UM ANO DE EXERCICIO?” pensei eu, porque não conseguia falar (todo o ar que entrava era pouco para as minhas necessidades). Passados 10 km parámos, pensava que isso era o fim, mas afinal, AINDA SÓ ESTÁVAMOS A MEIO. Não consegui refilar com a minha mulher, porque passei todo o tempo a tentar recuperar o fôlego. Passados poucos minutos (parece que já estavam todos à espera do carro vassoura há 20 minutos) partimos novamente. Entretanto um dos organizadores do evento resolveu acompanhar-me. Incentivava-me de uma forma estranha:
- Está a ver aquela subida? É a pior. Você não anda muito de bicicleta, pois não? Amanhã você não vai sentir o rabo.
AMANHÃ??? PORRA!!! DEIXEI DE SENTIR O RABO LOGO NOS PRIMEIROS QUILOMETROS. Pensei eu, uma vez que não consegui falar..sim, as razões são as mesmas já mencionada anteriormente. No entanto, consegui balbuciar algo de parecido com:
- Quanto falta?
Ao que ele me disse que só faltavam 8 Km. Parei a bicicleta, tirei a nossa filha da cadeira e pu-la no carro de apoio, pois estava farto de ouvir gritar:
- O PAI É GORDINHO….O PAI É UM GORDINHO…..VAMOS EM ÚLTIMO…..VAMOS EM ÚLTIMO…..
Senti um alivio imediato, pelos menos nos ouvidos. Finalmente, chegámos e percebi porque razão o almoço era de borla: Com as dores e o cansaço, o pessoal fica com mais vontade para se deixar ficar estendido no chão, do que para ir comer alguma coisa. Assim que descansámos e nos reabastecemos, eu e a minha mulher resolvemos voltar, tendo a garantia que a nossa filha seguiria depois no carro de apoio. Quando cheguei a casa fiquei contente comigo: Conseguia andar (mal, mas conseguia) e ainda por cima estava com vontade de ter sexo com a minha mulher.
Agora ainda estou. Assim que o meu corpo me obedecer, estou a pensar em passar do pensamento à prática. Só não sei é quando é que isso vai acontecer…...

publicado por Luis às 19:05
link do post | comentar | favorito (1)
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar