casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Sexta-feira, 13 de Maio de 2005
O fim de semana (parte II)..….
Uma coisa porreira que existe em estar casado é que não temos que nos preocupar com agendas. Porquê? Porque elas fazem questão de tratar de todos os assuntos familiares por nós. Obviamente que me refiro aos assuntos relativos à nossa vida social, porque os outros, de contas, IRS, e outras porras engraçadas…isso tem a gentileza de deixar comigo, porque “…tu é que gostas disso.” Assim sendo, as decisões sobre o que fazer ao fim de semana passam sempre e exclusivamente por ela(s). Decidiram que estava na altura de ir até à praia. Como eu adoro a praia….O sol a queimar, a areia a enfiar-se por tudo o que é buraco, a água fria que faz com que a minha maçã de Adão passe a ter por companhia os meus testículos, etc.. Mais. Resolveu que íamos acampar, porque a filha não conhece as maravilhas de um saudável acampamento. Tais como…porra, agora só me lembro de mosquitos, de ter que tropeçar em fios para ir dar uma mija, a meio da noite, a um balneário que se encontra a centenas de metros, de ouvir o ressonar de todos os restantes campistas situados num raio de trezentos metros, etc..
Bom, deixemo-nos de desgraças. Vamos a tragédias: a preparação para a viagem. Ok, vou poupar os pormenores, porque quem tem a paciência de me ler desde o início, já pode imaginar o que se passou. Deixo no entanto um pormenor que resume bem a carga de trabalhos que é a preparação de uma viagem de 24 HORAS:
Encontramos pela estrada outro desgraçado que, como eu, ia de fim-de-semana, mas notei que o gajo tinha mais um filho que eu. Como é que eu descobri isso? Porque tinha o carro cheio (uma Renault Trafic) e ainda levava um pequeno reboque com mais tralha. A minha mulher insistiu que era uma família de feirantes, mas quando os ultrapassei confirmei que o gajo tinha uma mulher e DUAS filhas. Qual feirante qual quê. Mais um desgraçado que ia acampar por 24 HORAS.
Quando chegámos ao parque toca de montar a tenda. Sozinho, obviamente, porque ela ficou a descarregar a tralha toda que tinha trazido e, depois da tenda montada, a tentar fazer com que a mesma coubesse lá dentro. Depois de montar a tenda e enquanto me preparava para me ir deitar um pouco na mesma (até porque me estava a sentir esgotado, não pelo trabalho, mas sim devido aos litros de sangue que tinha dado durante a manhã) grita ela: “Onde é que vais? Quero ir ver o mar.” Pedi a ela para se pôr em cima de um pequeno ressalto e que olhasse para o horizonte, onde estava o mar. Porra, as coisas que ela me disse não são próprias para serem ditas, assim, no meio de um parque de campismo, e depois eu é que vou para o quadro do não gostei.
Bom, o resto são histórias desinteressantes sobre areia e a atracção que as minhas moças têm para com ela, sol e respectivas queimaduras na zona da minha cabeça que anda com alguns problemas capilares, mandar calar a filha lembrando-a que as pessoas ouvem tudo o que nós dizemos dentro da tenda, e que o senhor da tenda do lado, não era gordo como um elefante, mas que tinha um problema de saúde que fazia com que parecesse um POUCO mais forte que o normal. E que não, o pai NUNCA se iria parecer com um elefante.
publicado por Luis às 21:20
link do post | comentar | favorito
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar