casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Domingo, 19 de Fevereiro de 2006
Pequenas vitórias.....
Sempre que tenho que ir buscar a nossa filha a casa de uma amiga, tenho que apanhar sempre seca. Primeiro apanho seca da minha mulher porque a filha é dos dois e que não pode ser sempre ela a ir buscá-la, e porque tem que fazer o jantar, e porque o facto de eu estar a ver as noticias, por ela, não é desculpa, e que sempre levanto o cu do sofá para fazer algo de útil, e teca teca teca. Assim, lá tenho eu que sair do quentinho. Pelo caminho vou treinando o sorriso parvo, para que quando me abrirem a porta, verem logo que eu estou bom, e que só ali venho, única e exclusivamente, para vir buscar a nossa filha. NADA MAIS.
Chego sempre à conclusão, que o meu sorriso parvo nunca é claro o suficiente, para mostrar as minhas verdadeiras intenções, e assim, algo que deveria de demorar poucos minutos, ou na minha perspectiva, segundos, demora sempre mais tempo do que a piza (que entretanto encomendei quando descobri o que era o jantar) demora a ficar pronta. E isto porque sou sempre obrigado a entrar:
- ….porque está tanto frio aí fora e a sua cara parece de quem está a sofrer com isso.- diz-me a mãe da amiga da nossa filha. È o que chega para que o meu sorriso parvo desapareça e que tente despachar rapidamente aquele meu sacrifício.
- Então ela já está pronta? – pergunto eu, enquanto sou empurrado para dentro da casa.
- Estão para ali a brincar. Mas entre. Não seja tímido. Tire o casaco.
- Não. Deixe estar. Não me posso demorar. Tenho que ir ajudar a minha mulher a fazer o jantar. Fiquei encarregado de……de……de fazer a sopa e as horas que são…..- digo eu enquanto olho para o relógio e abano a cabeça em sinal de desespero.
- Deixe lá isso. Já lhe mostrei a casa?
- Sim. Várias vezes e sempre que cá venho. – respondo eu, pondo novamente o sorriso parvo, para ver se fica clara a minha vontade de me ir embora.
- Você é tão engraçado. Venha ver o quarto da minha filha. Estive lá a fazer umas mudanças. Assim aproveitamos e chamamos a sua filha.
E lá sou eu arrastado, mais uma vez, para uma visita guiada.
- Repare como agora a cama dela ficou mais bonita. Parece mesmo que dorme numa maçã. Não é?
- Sim, que giro. – respondo-lhe, virando-me depois para a minha filha - Filha, vamos embora que a mãe tem uma surpresa para nós.
- Eu não quero comer as surpresas da mãe. – responde-me ela.
- Portaram-se tão bem. A sua filha é um amor. Vê-se mesmo que é muito bem educada. Queres mais umas bolachas ou um chocolate? – pergunta à minha filha.
- Não. Deixe estar porque está na hora do jantar, e depois a mãe dela bate-nos se nós não o comermos. – digo, enquanto meto uma das bolachas que me foi oferecida na boca, rapidamente e sem que a minha filha se aperceba disso.
Bom, finalmente lá consigo tirar a minha filha de lá. Depois de dizer adeus cinquenta vezes, porque o raio da mulher insiste em ficar à porta da rua até nós desaparecermos de vista, lá vamos buscar a piza, que entretanto já está fria, e chegamos a casa onde somos recebidos calorosamente:
- Mas é sempre o mesmo? Porque raio sempre que sais de casa para ir buscar a tua filha, regressas sempre com uma piza?? ACABOU. PARA A PRÓXIMA VOU EU BUSCÁ-LA.

E reparem que nem foi preciso falar do suposto assédio sexual de que fui alvo.
publicado por Luis às 23:02
link do post | comentar | favorito
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar