casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Quarta-feira, 18 de Junho de 2008
Uma (longa) história de encantar.....

 

Ao Jantar:

- Pai, a professora falou que existe uma terra que se chama Freixo de espada à cinta. Por que é que as terras se chamam como chamam?

- Bom. - digo, pondo o meu melhor ar de intelectual. - Trata-se de uma pergunta que mostra bem a rapariga inteligente que tu és.

- Não sabes, não é? – diz ela (mais como afirmação, do que como pergunta) enquanto a minha mulher começa a rir.

- Claro que sei. Por exemplo, essa terra tem esse nome, porque o senhor que a criou chamava-se Freixo e tinha uma espada à cinta.

- Pois… É capaz de ser isso. - diz, rendida à minha lógica imbatível.

- Quando é que deixas de acreditar em tudo o que ele te diz? - diz a invejosa da minha mulher.

- E sabes que existe uma terra que se chama “Luis Luz o Herói”? - digo, só para que a minha mulher aprenda a não me provocar.

- A sério?! Porquê? - pergunta-me ela, entusiasmada com a possível história que aí vinha, e que a iria ajudar a comer melhor o bolo de Rúcula, com que a minha mulher nos presenteou ao jantar.

- Bom, eu antes de conhecer a tua mãe, era muito feliz e passava o tempo a viajar e a comer o que queria.

- Mãe! Não dês pontapés ao pai! Ele agora também é feliz. Só não pode é comer o que quer! Não é pai?

- Claro que é amor. A mãe é que percebe as coisas mal. - digo a rir.

- Peço desculpa, meu amor. - diz a minha mulher, enquanto me (im)põe mais uma fatia do tal bolo no meu prato.

- Bom, continuando a história. - digo – Um dia estava a passar por uma terra que se chamava “Grande Bosta” e vejo uma multidão à volta de uma árvore. Fui ver o que se passava e estavam todos a olhar para o cimo da enorme árvore. Mesmo junto à árvore, estava uma menina da tua idade, a chorar e a dizer: “Quero o meu gatinho....o meu pobre gatinho...” e todos olhavam para o cimo da árvore e chamavam: “Gatinho, anda cá....Gatinho!”, mas nada acontecia. Perguntei porque ninguém subia à árvore para o ir buscar. Começaram todos a inventar desculpas: Que a árvore era muito grande...Que o gatinho era um chato.... que ele havia de descer quando tivesse fome....etc.. Eu olhei para a menina, que só soluçava suplicando ajuda… E adivinha quem é que se ofereceu, para ir buscar o gatinho da menina?

- Foste tu.

- Claro. E comecei a subir a árvore. Era a maior árvore que já tinha visto. Olhava para cima e nem conseguia ver o fim dela.

- E não tiveste medo?

- Bom, quando já estava muito alto, comecei a ficar cansado e a pensar que o melhor era descer e borrifar-me para o gatinho. Mas depois olhava para baixo e via os olhos da menina, a brilhar, com o queixinho a tremelicar, e continuei….De repente, começo a sentir alguma coisa a bater-me na cabeça, era um Pica-pau.

- E magoava-te?

- Claro. Cheguei a pensar que o melhor era descer, mas....

- Olhaste para baixo e viste a menina assim…- diz-me ela enquanto fazia a sua própria cara de súplica… não se esquecendo de pôr o queixinho a tremelicar.

- Pois...e lá continuei a subir.

- E o Pica-pau sempre a bater-te na cabeça?

- Não. Houve uma altura em que ele parou.

- Que bom.

- É verdade… Ele fugiu porque agarrei numa colmeia que estava presa num ramo e atirei-lha.

- Então continuaste a subir sem que nada te chateasse.

- Claro que não. As abelhas não gostaram que eu tivesse arrancado a colmeia e começaram a picar-me.

- Uiiiii.....E tu continuaste?

- Claro. Lembra-te que o pai é um homem corajoso. - digo, enquanto dou uma grande dentada numa fatia do bolo de Rúcula, logo seguido de um gole de sumo, para disfarçar o sabor.

- E depois?

- Depois, cansado, com a cabeça cheia de feridas do Pica-pau. Todo inchado com as picadelas das abelhas, que não paravam de me seguir….Vejo que estou quase no fim. Ouço um ruído e chamo: “Gatinho...anda cá gatinho.”.

- E ele veio?

- Não. Mas senti que estava escondido atrás de uma grande ramo. Fui até lá, devagarinho. – digo sussurrando - Afasto o ramo…. E VEJO UM ENORME URSO! – grito (tendo esse meu grito levado a minha mulher a regurgitar parte do bolo de Rúcula, o que acabou por ser a desculpa perfeita para eu e a nossa filha, deixarmos de comer o bolo e irmos buscar pão, manteiga e leite para finalmente, jantarmos algo de jeito).

- Continua pai. – pediu-me ela, enquanto dava uma dentada no pão. – Um urso em cima de uma árvore?

- Sim, um urso. Eles sabem subir às árvores! Ele viu-me, começou a cheirar-me, cheirou-lhe ao mel da colmeia e começou a abrir a boca. Eu dei um grito e comecei a descer o mais depressa que podia. Mas o urso continuava a vir atrás de mim. Eu a descer e ele a aproximar-se. Quando começo a ver o chão, vejo as pessoas a começar a fugir. Só a menina é que não saia do sítio. Finalmente chego ao chão, na pressa vou contra a menina, a qual está de braços abertos e a sorrir dizendo: “Anda cá meu gatinho.”

- O gatinho veio atrás do urso? – pergunta, intrigada.

- Claro que Não!! Está-se mesmo a ver que o urso chamava-se gatinho. – responde a amuada da minha mulher, estragando o “suspense”.

- O urso chamava-se gatinho? – pergunta-me.

- Sim. Era o bicho de estimação da menina. Um enorme urso a quem a menina tinha chamado gatinho.

- Então e depois?

- Quando eu toquei na menina enchi-a de mel, e o urso, que estava cheio de fome, quando viu a menina de braços abertos, abriu a boca e comeu-a.

- A sério? – diz escandalizada.

- Sim, mas não te preocupes, porque logo a seguir o urso teve uma indigestão e morreu.

- E depois?

- Depois saíram todos de casa e vieram-me dar os parabéns, pois finalmente alguém tinha acabado com o urso, de quem todos tinham medo. Fizeram uma grande festa e mudaram o nome da terra para “Luis Luz o Herói”

- Mas....e a menina? – pergunta ela, um pouco triste.

- Fiquei a saber que a menina era uma grande chata e que ninguém gostava dela, pois obrigava as pessoas a subirem a árvore para irem buscar o urso, e depois este comia-os. Para além disso, a menina nunca limpava a porcaria que o urso fazia nas ruas da terra.

- Por isso é que a terra antes se chamava “Grande Bosta”, não é?

- É isso mesmo. E o que é que aprendeste com a história?

- Que és um herói.

- Não. A moral da história é que se não cumpres a tua tarefa diária, de limpar a caixa de areia do gato, compro um urso e besunto-te com mel.

 

Lá consegui fazer com que as duas amuassem e saíssem da mesa e da cozinha, ficando, finalmente, sozinho para poder comer as bolachas de chocolate, que estavam desesperadamente à minha espera, na despensa.

publicado por Luis às 23:24
link do post | comentar | favorito (1)
|
80 comentários:
De Joana Baptista a 19 de Junho de 2008 às 00:48
Bem Luís
Eu e o meu marido choramos a rir com esta sua história mirabolante, o meu marido espera vir a ter tanta imaginação e criatividade como o Luís, para presentear a nossa tão esperada Carolina, com histórias tão engraçadas.

Vamos continuar a seguir o seu Blog que é extremamente interessante e divertido.
De Sílvia a 19 de Junho de 2008 às 08:41
Agradeço o dia em que conheci o teu blog.
Obrigada por estes momentos e por ajudar a tirar algumas conclusões sobre a vida.
Fica bem e não abuses nas bolachas de chocolate.
De Angelo a 19 de Junho de 2008 às 09:22
Ó pá!!! Isto está genial! Se eu estivesse nessa mesa, não só teria posto o bolo de rucula de parte, como estaria a rebolar no chão de tanto rir. Mas sempre perto do Luís, o herói, não fosse o gatinho aparecer vindo lá do outro mundo!
De Andreia do Flautim a 19 de Junho de 2008 às 12:34
Bem, que historia!!
De Loucura a 19 de Junho de 2008 às 13:16
Perfeito! Parece a minha mãe a contar histórias=)
De carlos a 19 de Junho de 2008 às 15:04
Que ganda cromo! a meter medo a miuda só por causa de ela não limpar a areia do gato .. não achas que a essa hora já deviam estar na cama?
assim já não comias os bolos que te fazem engoradar!

passa bem!
De principezinha a 19 de Junho de 2008 às 15:43
Uma história deliciosa. Parabéns
De Mário a 19 de Junho de 2008 às 16:13
oh luís o que temos de fazer para comer umas bolachinhas de chocolate e mandar a areia do gato ser mudada..... bem não sei o que é rúcula mas também não quero saber deve ser uma coisa horrorosa beurkkkkkkk
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

oh luís o que temos de fazer para comer umas bolachinhas de chocolate e mandar a areia do gato ser mudada..... bem não sei o que é rúcula mas também não quero saber deve ser uma coisa horrorosa beurkkkkkkk <BR class=incorrect name="incorrect" <a>parabens</A> ainda me dói a barriga de tanta gargalhada... e não das bolachas que lá em casa tentam desesperadamente esconder
De marta a 19 de Junho de 2008 às 21:29
brilhante....
De Torta Ninja a 19 de Junho de 2008 às 22:54
parabéns, as suas historias sao hilariantes...


Visitem o Torta Ninja!
http://tortaninja.blogspot.com/
De Max Diniz Cruzeiro a 22 de Agosto de 2008 às 02:07
Caro escritor, este texto é o segundo texto mais inteligente que li até hoje.

Parabéns pelo brilhante trabalho. Espero poder ter a chance de ler alguma coisa a seu respeito, não muito pois minha agenda está lotada.

Atenciosamente,

Max Diniz Cruzeiro

Comentar post

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar