casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Quinta-feira, 20 de Julho de 2006
Vacinas e Demónios......
- É a tua vez de levar a moça à vacina. – diz-me a minha mulher.
- Está bem, mas vem comigo porque assim vamos logo de seguida para o trabalho. – respondo eu.
- Não.....preciso de ficar aqui a arrumar umas coisas. Vai e depois vêm-me buscar. – diz ela, fingindo que estava muito atarefada.
- Há alguma coisa que eu não saiba? – pergunto eu à nossa filha, a caminho do Centro de Saúde.
- Sobre o quê?
- Sobre isto de tu ires levar uma vacina.
- Vou levar uma vacina? A mãe disse-me que eu ia só para te fazer companhia e que tu ias arranjar uns papéis. Dói-me a barriga. Quero ir para casa.- começa ela a gritar.
- Moça. Tem lá calma. Não me vais fazer passar vergonhas, pois não?
Entro no Centro de Saúde com a minha moça totalmente possuída, a espernear, aos berros e a dizer asneiras (se calhar tenho que ter mais cuidado com os desabafos que faço sobre o emprego, quando a minha filha está presente).
- Enfermeira Josefina, está aqui a Rita para a vacina. – grita a pessoa que está a atender, assim que nos vê, passando-nos para a frente de todos.
Chega a enfermeira Josefina.
- Ai. Já está assim? – diz ela, mal nos vê - Ainda não chegou nenhuma das estagiárias? – pergunta à administrativa.
- Não, mas olhe que não sei se elas conseguiriam lidar com isto sozinhas. – responde-lhe ela.
- Têm que aprender a lidar com tudo. – responde a enfermeira.
- Têm sacos de gelo para as minhas partes baixas? – grito eu, mas baixinho, depois de um dos vários pontapés descontrolados me acertar.
- LARGUEM-ME CAMBADA DE %$#&$. – grita o ser demoníaco que se apossou da minha filha.
- Esperem. A enfermeira Maria nunca deu uma vacina à Rita. Vou chamá-la.
- Importam-se de deixar de dizer a palavra vacina? –grito eu, baixinho, enquanto tento amarrá-la a uma cadeira e começo a pensar em ir buscar água benta.
Chega a enfermeira Maria.
- Então? Uma menina tão bonita e a fazer um escândalo destes? Como te chamas? – pergunta-lhe a enfermeira Maria.
- NÃO QUERO VACINA. QUERO A MÃE. QUERO IR PARA CASA. LARGA-ME $%&$. – grita o pequeno monstro.
- Queres levar mais palmadas no rabo? – pergunto-lhe eu. – Chama-se Rita. – respondo à enfermeira Maria.
- RITA. Esta é que é a Rita?- grita ela incrédula. – Josefina, anda cá se faz favor. – grita ela para a enfermeira Josefina.
- Não vou nada. Tu nunca deste uma vacina à Rita. Calha a todos. Para além disso o meu filho, para o ano, vai para a mesma turma que ela. – grita a enfermeira Josefina de dentro do seu gabinete.
A enfermeira Maria suspira fundo e manda-nos entrar. Depois de alguém levar para os seus lugares normais a carrada de cadeiras, que a nossa filha trouxe de arrasto, lá começamos a tentar comunicar com o ser demoníaco.
- Olha. Tenho aqui um spray mágico que vai fazer com que tu não sintas nada. – diz-lhe a enfermeira Maria.
- E o pai tem aqui mais palmadas para o teu rabo, se continuas assim. – digo-lhe eu.
- TU ÉS A MÃE DA CAROLINA, NÃO ÉS? – pergunta ela à enfermeira, num tom que me fez lembrar o filme o exorcista. – E TU PODES CONTINUAR A DAR TODAS AS PALMADAS QUE QUEIRAS PORQUE NÃO ME DOIEM NADA.- diz-me, ficando no ar um estranho e assustador cheiro a enxofre. Depois pensei no que tínhamos jantado na véspera (comida vegetariana que eu baptizei de provocagasesmalcheiros) e fiquei mais descansado.
Bom, após um enorme esforço para a imobilizar, lá se consegue dar a vacina, depois de mais umas asneiras, o seu corpo volta devagar ao normal.
- Então? Já passou? – pergunta-lhe a enfermeira Maria – Doeu assim tanto?
- Não. – diz a nossa filha fungando e enxugando as lágrimas.
- Vá. Para tu não ficares triste comigo, dou-te este relógio que temos aqui para dar a pessoas especiais. – diz-lhe a enfermeira ao mesmo tempo que lhe passa para as mãos um relógio de pulso digital de uma marca qualquer de medicamentos.
- Obrigada. – agradece ela enquanto se dirige para a saída. Antes de fechar a porta volta-se para trás - Manda um beijo meu à Carolina. – diz-lhe, com um sorriso maquiavélico e girando a sua cabeça de forma estranha.
- Quando é que começas a tratar da educação religiosa da moça? – pergunto eu, o ateu, à minha mulher quando chego a casa, ao mesmo tempo que me dirijo ao quarto para vestir algo que não esteja rasgado.
publicado por Luis às 12:37
link do post | favorito (1)
|
De corto maltese a 20 de Julho de 2006 às 15:56
Antes de mais, queria agradecer a oportunidade de falar convosco. Gosto muito do vosso programa, que vejo todos os dias.

Em relação à menina Rita, eu acho que ela está a precisar de um irmão.

Convém também, como em qualquer relação séria e honesta, começar a guardar uns afazeres na manga, para estes ca(s)os. Ou isso, ou pedir a um polícia militar. Aqueles capacetes enterrados na cabeça a dizer "PM" a mim pelo menos tinham o condão de me acalmar.

Em último caso, recomendo um aumento de intensidade das palmadas no rabo, imediatamente antes da fase Maus Tratos Infantis.

Adoro a sua Vida de Casado,
Corto
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar