casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Segunda-feira, 5 de Julho de 2004
A Bexiga.......
Falar sobre as bexigas das mulheres, ou neste caso concreto, da bexiga da minha, é um assunto que tem que ser tratado com muito cuidado, pois dá sempre direito a discussão em viagens (quer estas sejam de 3 horas ou de 15 minutos). Segundo a análise que tenho levado a cabo nos anos de vida em conjunto, cheguei à conclusão que a bexiga da minha mulher é um órgão completamente autónomo sobre o qual ela não tem qualquer influência e que tem como único objectivo da sua existência massacrar-me e tentar levar-me à loucura. Como é que eu cheguei a essa conclusão? Bom, para já, sempre que vamos sair peço-lhe para a despejar, mas por mais litros que possam de lá sair, de nada adianta. Assim que começamos a viajar e em momentos perfeitamente estratégicos aí vem: "Tens que parar que já não aguento." Que momentos estratégicos são esses? O seu preferido é quando, depois de estarmos cerca de 30 minutos atrás de um camião sem qualquer possibilidade de o ultrapassar e a inalar todos os seus gases, o finalmente consigo ultrapassar. É exactamente aí. Logo depois da ultrapassagem. "Porque que é que não disseste antes de ultrapassarmos o camião?" pergunto eu- Porque não tinha vontade.- diz-me ela com o ar mais natural do mundo. Outra, é quando vamos na auto-estrada, logo depois de passarmos uma zona de serviço. "Mas porque é que não disseste antes de passarmos pela área de serviço?"- digo eu ingenuamente- "Porque que é que tu não me disseste que íamos passar por uma área de serviço?"- diz-me ela irritada. A partir daí temos discussão por mais 40 Km.
Depois, existe ainda o sítio onde se pára. Não pode ser um qualquer. "Aí não, que tem muita lama." "Se pensas que vou fazer aqui neste descampado para tu venderes bilhetes estás muito enganado." "Vamos procurar outro sítio que aquela casa de banho está um nojo." Etc., etc., etc., etc.... Solução para isto? Não encontro. Talvez uma operação para matar o pequeno parasita que eu tenho a certeza que ela tem dentro dela e que controla completamente a sua bexiga (não, não estou louco, já vi isto num filme e é perfeitamente plausível). Já tentei enganar esse monstro por várias vezes, por exemplo, parando e fingindo que eu precisava de ir à casa de banho, mas aí é me dito que não há vontade, que a bexiga está vazia, que só paro quando é para mim, etc., mas adivinhem o que acontece poucos quilómetros depois? AAAAAAAHHHHHHHHHHHH.
Só mais um aviso para os que pensam em casar (juntar) pela minha experiência, o monstro (parasita) só se torna activo depois de começarmos a viver juntos, pois antes, nada disto acontecia. Tenho uma teoria sobre isto que envolve a minha sogra, mas não quero que julguem que sou louco.
publicado por Luis às 11:00
link do post | comentar | favorito
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar