casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Quarta-feira, 7 de Julho de 2004
O Parto.....
- Amor, acorda- disse-me ela- estou toda molhada.
Bom, estava cheio de sono, mas as oportunidades são para aproveitar por isso comecei a fazer-lhe carícias. Deu um berro:
- ESTÚPIDO, não quero sexo. Acho que me rebentaram as águas.
Ok, são 4 da manhã e estava a chegar a hora da maior mudança das nossas vidas e nós ainda não o sabíamos. Fomos para o hospital e meteram-nos na sala de partos. No início ainda deu para falarmos, mas a partir de um certo tempo ficou esquizofrénica, lembrou me o clássico da literatura “O Médico e o Monstro”. Quando não tinha contracções, podia falar com ela fazer-lhe carinhos e dar-lhe beijos, quando vinham as contracções, o monstro aparecia: “NÃO ME TOQUES.” Com o tempo, o intervalo entre as contracções ficou mais curto, dando largas ao monstro dentro dela. “A CULPA DISTO É TUA. NUNCA MAIS”. Nunca mais? Nunca mais o quê? Seria uma ameaça sobre a nossa vida sexual? Pensei eu em pânico. Perguntei-lhe o que ela queria dizer com aquilo.
-Com o quê, amor? - respondeu ela, já sem as dores da contracção. - Amo-te muito. - Continuou ela. Fiquei descansado.
“ESTÚPIDO, TU É QUE DEVIAS DE ESTAR AQUI. VAIS VER O QUE TE ESPERA.” Regressou o monstro. Bom e assim foi durante umas horas. Até que finalmente ficou tudo pronto para o parto. Nunca pensei que ela tivesse tanta imaginação para me chamar nomes. Pensei que depois do parto nunca mais lhe poderia tocar. Finalmente, num último esforço (acompanhado de mais um impropério a mim dirigido) veio ao mundo a minha filha. Depois de a mostrarem à mãe, levaram-na e eu fui atrás, olhei para ela tão calma e aí apercebi-me que tinha um ser humano indefeso para cuidar.
Regressei para junto da mãe dela e estava o médico com uma agulha e linhas a coser-lhe a vagina, perguntei o que se passava e ele disse-me que teve que cortar um pouco e que agora estava a dar uns pontos. Aproveitei para perguntar passado quanto tempo é que podíamos voltar a ter relações. Ele disse-me que, pelo que tinha ouvido durante o parto, não era com os danos físicos que eu me teria que preocupar. Fiquei feliz em saber que pelo menos uma pessoa se tinha divertido com o parto. Voltei a ir ver a minha filha e dei-lhe o meu primeiro beijo. Quando regressei, a minha mulher estava a dormir exausta, dei-lhe um beijo e saí. Estava orgulhoso das duas e com muito medo das novas responsabilidades.
publicado por Luis às 10:13
link do post | comentar | favorito (1)
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar