casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Quarta-feira, 7 de Julho de 2004
Os primeiros dias a três....
A depressão pós parto é algo de tramado. Já tinha lido sobre isso, mas quando temos que a enfrentar é que nos apercebemos do seu poder. Uma sensibilidade á flor da pele, lágrimas nos olhos por tudo e por nada, pânico sempre que a nossa filha chorava. "Será fome? Sede? Sono? Doença? O que é que ela tem......?" não conseguia terminar pois o nó na garganta impedia a saída de mais palavras. O que me deu algum alívio para aturar tudo isto foi o emprego, aí as chatices eram outras e dava para descansar do stress caseiro. Mas assim que entrava em casa..... Lá desabava tudo em cima de mim. Eram as noites mal dormidas, ou porque a nossa filha gemia durante a noite, ou então porque não fazia barulho e era preciso ver se ela estava a respirar, era a falta de apetite, era a pouca (nenhuma seria mais correcto) vontade para o sexo, etc.. Comecei a desconfiar que algo não estava bem no dia em que a minha sogra se foi embora depois de ter passado dois dias connosco, os momentos da despedida são normalmente motivo de alegria e não o contrário. Nos livros diziam que a depressão pós parto se devia à súbita quebra da quantidade de hormonas após o parto, mas porra se não fui eu que estive grávido, porque que é que era eu que estava com a depressão? Mas aos poucos e com o forte apoio da minha mulher, lá consegui superar a fase mais maricas da minha vida. A partir daí começou uma nova etapa da nossa vida, se pensam que o casamento muda completamente a vida estão enganados. Esperem até terem filhos, aí é que vão ver o que vai mudar- TUDO. A forma como a vida passa a ser encarada, os objectivos, a forma de pensar, etc., etc., etc.. Existe uma publicidade sobre o crédito à habitação que dá a entender que quando uma pessoa se casa e compra casa deixa de poder sair à noite. Trata-se de publicidade enganosa. Deixamos de sair à noite quando nasce o primeiro filho. E porquê? Por várias razões. Certamente já foram jantar fora e ficaram perto de um casal com um recém-nascido, lembram-se daquela parte em que ele desata a chorar e ninguém o consegue calar? Pois, essa é uma das razões (a expulsão dos restaurantes) a partir de um certo tempo passamos a ter cadastro em todos os restaurantes nossos conhecidos e passamos a ter que nos deslocar cada vez para mais longe, sempre que queríamos comer fora, até ao dia em que percebemos que o preço da deslocação era superior ao preço do jantar, a partir daí rendemo-nos. Mas nem tudo é mau, quando temos aquelas visitas chatas que vêm todas em procissão para ver o novo rebento, aí era uma questão de a deixar com a fralda suja durante mais uns tempos e o cheiro pestilento misturado com o choro estridente resolvia, na maior parte dos casos, o problema. Os casos mais díficeis eram resolvidos convidando as pessoas a mudarem a fralda.
publicado por Luis às 22:42
link do post | comentar | favorito
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar