casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Quinta-feira, 15 de Julho de 2004
A Testosterona....
As coisas que um homem faz para impressionar uma mulher. Quando estava a entrar na adolescência li o livro Servidão Humana de Somerset Maugham e impressionou-me as figuras tristes que a personagem principal fazia por causa de uma mulher, pensei que isso nunca me iria acontecer, mas esqueci-me da testosterona e dos seus efeitos sobre o bom senso. Assim, quando ela começou a disparar, toca de tentar impressionar. Lembro-me perfeitamente que lavava os dentes sempre depois das refeições, não por uma questão de higiene pessoal, mas porque aquele poderia ser o dia, em que pela primeira vez na minha vida, poderia vir a dar um linguado a uma moça. Os cabelos tinham que estar muito bem penteados para dar um ar perfeito de despenteado (o que me levava a estar longos minutos em frente do espelho, aliás existia uma série de fios de cabelos insubordinados, que iam do número 4523 até ao 4894 que nunca seguiam as minhas instruções). Foi no entanto quando estávamos ambos a estudar em Évora e já namorávamos que aconteceram as maiores baboseiras que até hoje fiz. A primeira aconteceu quando estávamos a passear e começamos a ouvir berraria numa rua, ao passarmos vemos dois jovens bêbados a discutir muito acaloradamente, até aqui tudo bem, o problema é quando eles começaram à porrada e ela começou aos berros “OLHA PARA ELES, VÃO-SE MATAR. NÃO FAZES NADA?” e aqui o parvalhão (em vez de dizer NÃO) começa a tentar separar os bêbados enquanto ela assistia serenamente à cena. Eu que abomino a violência e as confusões estava agora no meio (mesmo no meio) de mãos e pés que voavam sem destino fixo. Quando tentava agarrar um, o outro aproveitava a toca de lhe dar porrada, então tentava agarrar o outro e invertiam-se os papéis e a parvalhona, em vez de chamar ajuda, andava ali aos ais de um lado para o outro e eu sozinho no meio dos bêbados a tentar separa-los e ao mesmo tempo a tentar esquivar-me dos pontapés e murros que choviam. É óbvio que algum tinha que parar em cima de mim e infelizmente parou mesmo. Quem estivesse de fora já não conseguia distinguir os bêbados do parvalhão do bom samaritano. Finalmente, após uns murros e pontapés em numerosas zonas do meu corpo, ela teve uns segundos de clarividência e suplicou à multidão, que se tinha formado para ver o espectáculo, por ajuda. Alguns homens (e não apenas um parvalhão) conseguiram parar com aquilo e lá me consegui arrastar para junto dela.
A outra situação aconteceu no meu ano de finalista, resolvi, juntamente com outros supostos machos, entrar na garraiada de finalistas, em relação a isso só vos posso contar o que vi no vídeo, pois, desde o momento em que o novilho investiu contra mim e até estar a salvo nas tábuas, uns valentes minutos depois, não me recordo de absolutamente nada. Pelo que vi no vídeo, tratou-se de um filme de terror em que corpos voavam pelo ar como se de bonecos se tratassem e ela, que estava a filmar, dizia para as colegas “Acham que ele se está a aleijar?” CLARO QUE NÃO. SÓ ESTAVA A TENTAR DAR UM DIA DE FELICIDADE AO TOURO E PENSEI QUE A MELHOR FORMA ERA A DE ME OFERECER A ELE COMO SACRÍFICIO HUMANO. ERA POR ISSO QUE GRITAVA, NÃO ERA DE DOR, ERA DE FELICIDADE.
Moral das histórias, a testosterona e as mulheres fazem-nos fazer figuras tristes nas quais podemos, como provam estas minhas aventuras, pôr em risco a nossa integridade física e ainda por cima as recompensas sexuais (a única razão para fazermos estas figuras) não puderam ser gozadas, pois tanto num caso como noutro, as mazelas foram suficientes para que, durante uns bons dias, qualquer beijo, em qualquer milímetro quadrado do meu corpo, apenas conseguirem levar ao limite da excitação todos os meus receptores de dor.
publicado por Luis às 22:35
link do post | comentar | favorito
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar