casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Sábado, 14 de Agosto de 2004
A Estadia 3……
Hoje (ontem) cheguei à conclusão que, embora já não tenha as capacidades físicas que julgava ter, ainda tenho os níveis de testosterona que me toldam o cérebro e as minhas decisões e que me fazem tomar decisões um pouco (como dizer isto sem parecer mal)…. um pouco…. de macho que quer impressionar a sua fêmea (porra, mas que a consegui impressionar lá isso consegui, embora tenha demonstrado, esse seu fascínio pelo que fiz, de uma forma um pouco diferente do habitual e que, se eu não a conhecesse, diria que era muito semelhante a gargalhadas de gozo…humm….). Mas o que é que eu fiz? Resolvemos fazer de tarzans e fomos a um parque onde nos dão umas tretas de alpinista e pagamos (caro, diga-se de passagem) para andar a saltar de árvore em árvore. Depois, andamos todos contentes feitos macacos a gritar e a berrar e a pensar porque raio é que aquilo é tão divertido. Assim foram correndo os minutos, fizemos o chamado percurso verde, para putos, o percurso vermelho, para putos maiores, o super vermelho, para homens e mulheres que gostam de aventura. Decidimos depois fazer o percurso negro, para homens de barba rija e mulheres com a mania que, lá por correrem todas as manhãs (e meterem a merda do despertador a tocar para ir correr durante as férias, o que no meu entender pode ser considerado uma tortura que o nosso código penal deveria de ter em conta) julgam que podem fazer aquilo sem problemas (e por acaso conseguem). Mas, existe ainda, o misterioso e tenebroso percurso super negro, só para….(como dizer isto mais uma vez sem me queimar)…..para…..gajos que querem impressionar (fazendo rir as suas moças). Começamos então o percurso negro. Numa árvore existia uma encruzilhada, para um lado era o percurso super negro, para o outro o negro (o super negro terminava novamente nessa árvore e depois bastava continuar pelo percurso negro). Disse para a minha mulher “Espera aqui que eu vou fazer o super negro e já cá venho ter contigo.” Desafiei o namorado da minha sobrinha a vir comigo, o qual, obviamente, acedeu de imediato (porra, não ia dizer que não quando aqui o velho ia sem problemas) e lá fomos. O primeiro trajecto até que não foi difícil, difícil foi conseguir subir para a plataforma com os braços doridos. Começámos a ver as coisas um pouco negras (razão da cor do percurso) quando reparámos que, na plataforma seguinte, estavam dois jovens sem saber o que fazer, era um a incentivar o outro para pular e o outro, gentilmente, a lhe ceder o lugar. Passado dez minutos, o tempo mínimo para voltarmos a sentir os braços, fui até essa plataforma e o que vi impressionou-me. Tínhamos que saltar (a 20 metros de altura) agarrados a uma corda, para uma rede que se encontrava 5 metros à nossa frente, disposta na vertical. Bom e agora? O primeiro moço lá foi (a gritar pela mãe, mas foi) o segundo foi passado dez minutos (ainda eu não sentia os braços). Sentei-me a analisar a situação e a dizer para o namorado da minha sobrinha: “Sabes, eu já estou casado, não preciso destas merdas para a impressionar. Tu, por outro lado, namoras com ela à dois meses e ainda tens que mostrar o que vales, por isso, cedo-te o lugar. Vai tu em primeiro.” Respondeu-me ele: “Pois, mas eu, se quiser, posso voltar a namorar com quantas queira fazendo isto ou não, enquanto tu….” Cabrão do puto. Bom, passados mais dez minutos, quando os braços passaram a dar sinais, através de fortes dores musculares, agarrei-me com todo a força à corda e…... durante o curto trajecto, dei por mim a pensar que não tinha feito nenhum testamento a salientar que não queria que nada meu fosse parar às mãos da minha sogra, lembro-me que pensei nisto exactamente no momento em que a corda começou a me escapar das mãos. Felizmente consegui agarrar o raio da rede e passados largos minutos atingi a plataforma onde, finalmente, pude descansar e ver o namorado da minha sobrinha a voltar para trás (não foi só a minha mulher que eu impressionei). De nada serviram os berros da minha sobrinha para o motivar “ENTÃO O VELHO DO MEU TIO CONSEGUIU E TU VOLTAS PARA TRÁS, COBARDE?” (diga-se de passagem que não o levei a mal). Estava agora noutra encruzilhada, para um lado tinha que me agarrar a umas argolas que estavam penduradas acima de mim e depois, só existiam cordas para chegar, respectivamente, às duas plataformas que me faltavam. Do outro lado, um cabo de aço levava-me directamente para a plataforma da minha mulher….hummm….após dois segundos decidi-me, depois de sentir os braços lá me arrastei até ela, onde recebi um beijo e uma recomendação: “Deixa de fazer tonteiras que já não tens idade para isso.” Podia-me ter dito isso antes. Bom, acabei mal, mas acabei. Resultado, tive o resto do dia a tentar recuperar o controlo dos meus músculos (pelo menos fiquei a saber que ainda existiam músculos em zonas das quais já não me recordava) e tivemos uma sessão de sexo muito, mas muito calma e sem posições exóticas.
Havia mais para contar, mas isto já vai longo e dói-me quando escrevo.
publicado por Luis às 08:35
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 14 de Novembro de 2006 às 13:37
Chorei de tanto rir...

Comentar post

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar