casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Segunda-feira, 23 de Agosto de 2004
Estadia 5……
Felizmente tenho na aliança o dia em que nos casámos, pelo que este ano apanhei-a de surpresa. “Então amanhã onde queres ir jantar?”- perguntei eu discretamente. “Ó amor, lembraste-te que amanhã fazemos 8 anos de casados”- disse-me ela, quase com lágrimas nos olhos. “Claro que sim.” (ia lhe perguntar se alguma vez me tinha esquecido, mas achei melhor estar calado). Pensei para mim, oito anos? Tanto tempo e ainda temos sexo com frequência? (Bom, com a frequência que ela deixa, claro). Deixámos a nossa filha com a minha cunhada e respectiva família e lá fomos a um restaurante que nos haviam indicado (a segunda escolha, pois a primeira indicação era de um restaurante em que o preço médio por pessoa rondava os 150 euros, respondi à pessoa que era para comemorar 8 anos de casado e não cem). Tive logo um pressentimento que a noite não me ia correr bem quando, assim que entramos, a minha mulher perguntou à senhora se havia algum problema em eu entrar de calções e sandálias. Porra, até parecia que ia com um mendigo, afinal nem levava as sandálias da praia nem calções de banho, mas sim umas sandálias de cabedal e uns calções “normais” de tecido. Mulheres… querem sempre a perfeição, qual é o problema de só ter trazido calções e sandálias para as minhas férias? Continuando. Sentamo-nos a apreciar a cidade que estava no vale “Então que balanço é que fazes destes anos de casamento?”- perguntou ela. “Em termos monetários ou sentimentais?”- repliquei eu. Primeiro pontapé da noite. Veio o menu e olhei para o menu turístico, 34 euros. Pensei que era melhor escolher algo do menu normal que certamente nos ficaria mais barato. Pedimos uma entrada de lagostim e veio um prato com um lagostim e mais uma série de mariquices que ficámos sem saber se eram para comer ou se serviam só para enfeitar. Entretanto, vem também a garrafa de vinho que ela tinha pedido e que era a mais pequena e mais barata que eles tinham na carta de vinhos, só custava 20 euros, UMA GARRAFA DE VINHO DAS PEQUENAS A 20 EUROS PORQUE RAIO É QUE NÃO BEBES SUMO COMO EU. Gritei eu em pensamento, quando ela a pediu. “Que tens amor? Estás a ficar branco.” – disse-me ela na altura. “Nada amor. É impressão tua.”- respondi eu. Segundo pontapé da noite, mas este, embora não tenha causado dores físicas, doeu mais que o primeiro. Porque raio é que ela gosta de vinho. Eu odeio tudo o que tenha álcool (o que durante a minha estadia na Universidade se tornou uma vantagem para os meus colegas, pois assim podiam sair e embebedar-se à vontade sabendo que me tinham a mim para tentar controlar as asneiras que iam fazendo pelo caminho) o que, aparentemente, me torna um ser extraterrestre, pois, por mais que diga às pessoas que odeio bebidas alcoólicas, elas insistem “Mas aposto que nunca provou este meu vinho caseiro. É do melhor que existe.” PORRA, MAS TEM ALCOOL, NÃO TEM? EU NÃO SUPORTO O SABOR DO ALCOOL NEM EM BEBIDAS NEM EM DOCES E MUITO MENOS NA MERDA DAS SALADAS DE FRUTA ONDE TÊM A MANIA DE PÔR UM CÁLICE DE VINHO DO PORTO. DEIXEM A MINHA SALADA DE FRUTA EM PAZ. (peço desculpas pelo desabafo mas esta da salada de frutas mexe muito comigo).
Voltando ao jantar. Quando a garrafa de vinho chegou, não resisti e disse “Por vinte euros espero bem que a bebas toda.” Se soubesse o que me esperava tinha ficado calado. Lá escolhemos o prato principal. Mais uma vez veio com tudo muito enfeitado como uma verdadeira obra de arte, pedimos a sobremesa, comemos e entretanto o vinho ia desaparecendo ao mesmo tempo que minha mulher ia ficando um pouco tocada (quando isso acontece, fala de tudo e mais alguma coisa). Felizmente ninguém percebia o que falávamos (também só lá estavam mais dois casais, quando veio a conta percebi porquê). Quando acabamos pedi a conta e….. as asneiras que eu pensei, 112 EUROS POR PRATOS CHEIOS DE MARIQUICES E ONDE MAL ACABÁMOS A SOBREMESA JÁ O PRATO PRINCIPAL SAIU DO ESTÔMAGO? Ela pagou (pois a minha carteira desapareceu de vez) e depois fomos dar uma volta pela cidade, a qual às 10 horas da noite estava vazia, pelo que, por razões de segurança, resolvemos voltar para o nosso alojamento. Perto do mesmo havia um bar com karaoke (os franceses adoram isso) que parecia animado, resolvemos entrar (o resolvemos é só para eu não ficar mal no quadro, porque ela obrigou-me a entrar) e aí, aí pensei em nunca mais comemorar os nossos futuros anos de casamento. Porquê? Porque ela mal viu o microfone livre agarrou-se a ele e toca de cantar Edith Piaf. Nunca me senti tão mal na minha vida. Bem que tentei que ela parasse (eu e mais o gerente do bar) mas quanto mais tentávamos mais ela insistia em gritar (sim, porque aquilo não era cantar). Felizmente o gerente lembrou-se de uma súbita falha de energia e embora os seus gritos continuassem a se ouvir mesmo com o micro desligado, ela achou que a acústica da sala era má para a qualidade da sua voz. Mas, antes de sair, exigiu que eu subisse ao pequeno palco, onde contou quase a história da nossa vida (incluindo alguns detalhes que eu pessoalmente não gostaria de dar a conhecer a ninguém) e gabou as minhas qualidades e salientou, no seu francês perfeito, os meus horríveis defeitos. Penso que muitos dos que assistiam julgavam que se tratava de um espectáculo de Stand up comedy, pois eram só aplausos e gargalhadas e eu com o meu sorriso amarelo a tentar despachar aquilo. Finalmente consegui tira-la de lá (sozinho, porque entretanto o gerente começou também a achar piada aquilo) e após eu recolher as moedas que entretanto choveram para o palco (pelo menos serviu para minorar o prejuízo) lá saímos e fomos para casa, onde ela rapidamente adormeceu e eu fiquei a pensar (após contar as moedas) se não podíamos fazer daquilo um negócio.
publicado por Luis às 21:30
link do post | comentar | favorito (1)
|
4 comentários:
De Sofia Desaparicio a 26 de Dezembro de 2006 às 21:35
Delicioso.... sobre a mesa ou debaixo dela... so nao leio mais pois sinto-me tentada a amputar um penis que veja por ai e me pareça jeitoso e o aplique, mudando de sexo so para ter o prazer de nao fazer nada....hahahaha
De quina a 23 de Dezembro de 2009 às 20:11
Belas historias
boa sorte ao casal! felicidades sempre!
De Agencia de Turismo a 23 de Dezembro de 2009 às 20:13
a escolha do restaurante sempre pode trazer muitas confusões e debates entre o casal. E ai o momento que seria de comemoração se torna de guerra! mas faz parte! no final tudo sempre dá certo!
De maniavirtual a 23 de Dezembro de 2009 às 20:15
as mulheres querem ser sempre donas da razão, sempre estao certas e suas opiniões é as que tem que valer
mas o importante é nao perdemos o controle e contornar todos os momentos diferentes da melhor forma possivel
e viva o amor depois!

Comentar post

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar