casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Quinta-feira, 9 de Setembro de 2004
As Chantagens…….....

Quando elas querem que nós façamos algo, que não estamos com muita vontade de fazer, vem a chantagem (embora ela diga que não, que nunca faz chantagens comigo, pois…. e a minha mãe também sempre disse que a queria como nora). Qual é então a sua última chantagem? Fez uma promessa de ir a Fátima a pé, caso a gravidez lhe corresse bem. Bom, a nossa filha vai fazer quatro anos e ela acha que é altura de cumprir a promessa. E o que é que eu tenho a ver com isso? À partida nada, pois para além de ser ateu, a perspectiva de queimar as minhas reservas de gordura para o Inverno que se aproxima, não me agrada nada (com o preço a que está o gasóleo, para o aquecimento da casa, é bom estarmos preparados com uma boa camada de gordura protectora). Mas, como sou casado com ela tenho que aguentar certas coisas. Assim, resolveu ir este fim-de-semana “pagar” a sua promessa, sendo o ponto de partida a casa da sua mãe (que fica a 30 Km de Fátima).
O problema é que não me apetece, este fim-de-semana, fazer três horas de viagem, só porque ela resolveu que era este o momento adequado. Deve ter recebido uma mensagem divina. Agora que penso nisso, se calhar o que eu ouvi esta noite não era a libertação de gazes intestinais, mas sim um chamamento superior (pensei que fossem gazes porque o jantar tinha sido oqueéqueéisto e sempre que assim é ocorre uma revolução intestinal na família).
Continuando. O problema é que ela precisa de alguém que a vá buscar depois da caminhada. Na mãe não confia (nem é preciso dizer a minha opinião) e embora os meus pais se tenham oferecido para lá ir buscá-la, isso iria criar (mais) fricções entre comadres. Quem é que sobra? Pois, o ateu que casou com ela. Já lhe disse que os juros da promessa davam para ela ir e voltar a pé desde a nossa casa, ela diz que a promessa nunca teve data marcada e que o ponto de partida foi sempre a casa da sua mãe. Eu respondo-lhe que, na próxima promessa eu vou com ela, se o ponto de partida for o nosso quarto e o ponto de chegada a nossa cozinha (ia dizer a casa de banho, mas é logo ao lado) e aí começou a chantagem:
- Se fores comigo o fim-de-semana, para depois me ires buscar, vou eu à reunião dos pais do Jardim-de-infância.
Reconheço que ela sabe fazer as coisas. Bem lhe tentei explicar que uma coisa não tinha nada a ver com outra, que fico intimidado no meio de tanta mulher (principalmente porque a minha vizinha ia lá estar) mas nada adiantou e lá fui. A reunião estava marcada para as 20.00h, e aqui o parvalhão que tem a mania de ser pontual teve logo que apanhar uma seca de 20 minutos, o que deu para pensar em pelo menos mais 5 artigos para pôr aqui, mas que garanto, não seriam nada abonatórios para a minha cara-metade. Começaram então a chegar as mães e pais dos colegas da nossa filha e lá nos sentámos. Obviamente que entre o sentar e o começar passou mais uma carrada de tempo. Tive a sensação de estar num galinheiro, havia as galinhas emproadas que cacarejavam por tudo e por nada e que no fundo diziam sempre o mesmo:
- ESTOU AQUI. OLHEM, CÁ ESTOU EU. OLHEM EU AQUI.
As galinhas subservientes:
- OLHEM PARA ELA. EU SOU AMIGA DELA. OLHEM COMO ELA DIZ COISAS ENGRAÇADAS. EU SOU AMIGA DELA.
As peruas que, como não conseguiam cacarejar com a mesma força das galinhas emproadas, se passeavam mandando um GLUGLUGLU de vez em quando para tentar tirar algum protagonismo às galinhas.
Depois estavam os patos (como eu e mais algumas mulheres e homens) que só pensavam em fazer canja daquilo tudo. Felizmente lembrei-me de dizer:
- Desculpem, mas podemos começar, é que daqui a pouco vai começar a novela.
Foi o suficiente para o cacarejar parar e pôr as galinhas a olhar para mim como se fosse uma delas (o que não foi lá muito lisonjeiro).
Bom, lá acabou a reunião e venho para casa. Quando entro, já ela tinha deitado a nossa filha e….hummm….. Porra, é sempre a mesma merda……….Será que as coisas que dizemos durante o sexo são vinculativas?

publicado por Luis às 23:45
link do post | comentar | favorito
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar