casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Quinta-feira, 16 de Setembro de 2004
Estou chateado com o meu país.......

Hoje acordei chateado com o meu país e nem valeu de nada começarem com as merdas do bom tempo que ia estar hoje por todo o lado, porque não é agora com falinhas mansas que me fazem ficar melhor. Porra, já ontem ao deitar notei que as coisas não estavam muito boas. Começou-me logo a chatear a dizer que não havia dinheiro e que estávamos mais pobres e que, mais uma vez, estamos na cauda da Europa em relação ao índice de pobreza (isto de estarmos sempre na cauda não é nada bom para o meu ego, sinto-me uma carraça agarrada ao cu da U.E.). Que não há dinheiro para a saúde, que não há dinheiro para a justiça, que não há dinheiro para o investimento, que não há dinheiro para a educação. Porra, um gajo farta se de tantas queixas. Mas depois começa a ouvir e a ler coisas que mostram o outro lado. Então não há dinheiro mas construímos estádios novos? Não há dinheiro e vamos comprar submarinos? Não há dinheiro e mandamos gente para uma guerra ilegal? E se um gajo diz alguma coisa leva logo nas orelhas: “Então e quando é que traz cá os papéis do IRS para a gente ver isso? Pois, que este pessoal que trabalha por conta de outrem tem muito a mania de falar e de se julgar superior aos outros desgraçados que andam a produzir toda a riqueza do nosso país.” Qualquer dia canso-me disto e torno-me empresário de futebol, depois quero ver se a conversa não é logo outra.
Hoje de manhã, toca de vestir a filha e vamos para a apresentação na pré-primária. Professores? Só para a semana. Até lá, as que existem vão assegurar (com muito e louvável esforço) que ninguém fique sem ir à escola. Quanto à lista de material a comprar, agradeceram-nos que comprássemos tudo na própria escola. Porquê? Porque até ao final do ano só têm 150 euros para gerir e assim sempre podem fazer mais uns tostões.
Onde trabalho é a mesma merda: “Não sabemos se há dinheiro para pagar os ordenados pois estamos à rasca com o orçamento que o estado nos deu. Parece que para o ano vai ser pior.” Pior? Mas eu li que o orçamento para a nossa área ia aumentar. Será por estarmos no interior? Será por não valer a pena investir onde a agricultura estourou e não existe mais nada que agarre as pessoas? Vamos mas é todos morar para ao pé da praia, aí há qualidade de vida. Temos tempo para ler enquanto esperamos nas filas de trânsito, podemos assistir à fabulosa vida dos urbanos que se comportam como se passassem ao lado de tudo (não percebo como é que eles se conseguem reproduzir uma vez que não falam uns com os outros). Temos o consumo mais perto de nós, podemos dizer aos nossos filhos que a vaca põe o leite directamente no pacote e outras maravilhas do género. Quando quisermos ver o campo, vamos então ao interior, o qual passará todo a zona protegida onde será proibido habitar. Num seminário ouvi a apresentação de uma tese de doutoramento que proponha que grande parte do Alentejo passasse a zona wilderness, ou seja, zona selvagem sem a possibilidade de lá viver, é assim que os nossos grandes doutores e engenheiros e mais uma série de grandes cabeças, que por aí andam a gastar o nosso dinheiro, fazem investigação prática, real e de grande interesse público, a qual demonstra também, o grande conhecimento que todos eles têm da nossa realidade. Aliás somos governados por eles. Doutores e Engenheiros e afins. Adjuntos do secretário de estado da agricultura que nunca saíram do gabinete (quer dizer, agora vão para a Golegã, sempre têm que se mexer mais um pouco) mas tiraram um MBA nos States. (sim porque a realidade rural lá é muito semelhante à daqui, eles lá também têm vacas e ovelhas e milho e essas coisas todas, por isso…)
Pois é, estou mesmo chateado. Começo a ficar farto desta relação, por isso vou fazer um ultimato: OU TU, PAÍS, MUDAS DE FEITIO E DEIXAS DE BRINCAR COM O PESSOAL QUE AQUI VIVE OU EU PEÇO O DIVÓRCIO DECLARANDO A MINHA CASA UM PAÍS INDEPENDENTE. Até já tenho o nome: Federação Omnipotente e Democrática do Alentejo- Subsidiada pela Europa (F.O.D.A.-S.E.) A última parte (S.E.) é exigida pelo programa comunitário ao qual vou concorrer.

publicado por Luis às 23:43
link do post | comentar | favorito
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar