casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Quinta-feira, 30 de Setembro de 2004
As aventuras de um pai temporariamente solteiro.....(parte 4)
Pois é, acabou. No início, nem pusemos a hipótese que não iria resultar, tal era a alegria: “Não, é impossível. Juntos iremos conseguir resolver sempre os nossos problemas, por maiores que eles sejam. Nada nos poderá separar.” Pois é, um dia o sonho acaba e apercebemo-nos que, se nenhum de nós muda, tem que ser o nosso contrato a mudar. Assim foi, continuamos amigos como sempre, mas chegámos à conclusão que nos temos que separar. Já ontem tinha ficado com a sensação que algo não estava bem entre nós e hoje a gota de água foi o que ela me disse mal acordei:
- Pai, se voltas a resonal, esta noite dolmes sozinho.- não posso dizer que não me magoou, dito assim de repente e estando eu ainda a despertar de mais uma longa noite mal dormida.
- Então e tu que passas a noite a dar-me pontapés e murros, para além de não conseguires estar sossegada um minuto. Ainda por cima farto-me de acordar durante a noite porque estás a gemer com frio e tenho que te arrastar, das mais diversas posições, para o topo da cama. Por isso, eu é que não quero mais dormir contigo. CHATA. – respondi, enquanto tentava desesperadamente desligar a merda do despertador que ela, durante a noite, deve ter enviado para o chão com um dos seus inúmeros pontapés. A partir daí a conversa azedou um pouco.
- Não sei como é que a mãe consegue dolmil contigo. Coitadinha dela.” – disse com uma verdadeira dor de alma. Então mas o que é isto? Anda um gajo a criar uma filha para ouvir destas coisas?
- Olha lá, ó melga, se não estás contente com a vida mando-te para casa da avó. - respondi eu que não sou homem para ficar calado.
- E depois, quando fosses pala o tlabalho, esquecias-te semple do telemóvel e da calteila em casa, polque eu não estava cá pala te lemblal. – replicou ela.
- Bom, vamos ficar por aqui que isto já não está a cheirar bem e afinal, aqui, o pai sou eu.- disse, para tentar arrumar com aquilo.
- E olha, se calhar não cheila bem polque não alumaste a mesa ontem ao jantal.- terminou ela.
Um gajo anda estourado. Tem que fazer o trabalho de dois, deita-se tarde e a más horas, dorme mal devido ao que já aqui falei e depois ainda ouve isto do raio do piolho. Como é que eu hei-de sentir saudades da minha mulher se a nossa filha a está a substituir tão bem?
Conclusão: A partir de agora cada um passa a dormir na sua cama. Bom, o acordo da separação não é bem assim, ela deita-se na minha cama e eu, quando me for deitar, levo-a para a cama dela, mas não me posso esquecer de lhe dar um beijinho para ela não ter sonhos maus. Mesmo tendo em conta a “discussão” que nos levou a esta separação, vou ter saudades: da necessidade que ela tinha de me estar constantemente a tocar, só para ter a certeza que eu estava ao seu lado; de como é linda a dormir (e acordada também, obviamente); do acordar com ela aos berros: “JÁ É DE DIA PAI, ACOLDA.”, mesmo que ainda só fossem seis da manhã e a luz fosse de um candeeiro da rua (nunca dormir com as persianas abertas com uma criança). Mas pronto (o mais provável é ela à noite já não se lembrar de nada e voltar tudo ao mesmo, mas….)
publicado por Luis às 13:47
link do post | comentar | favorito
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar