casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Quarta-feira, 6 de Outubro de 2004
Uma noite igual a tantas outras....
Há coisas tão simples na nossa vida de homem casado: comer, ver televisão, escrever coisas que a deixem ficar mal, ler comentários facciosos de pessoas que não conhecem a realidade do homem casado, ter sexo e dormir logo a seguir, e pronto. Bom, o pronto era no tempo do meu pai. Agora ainda tenho de: pôr a mesa, tirar a mesa, arrumar a loiça na máquina, estender e apanhar roupa, tratar da moça quando ela acorda, apanhar a roupa do chão, limpar o fogão, tratar do jardim (porra, agora assim escrito, eu realmente faço muito coisa, a minha mãe bem me avisou das maldades deste mundo) e mais uma série de mariquices que ela se lembra de me mandar fazer só porque sou maior e mais forte que ela. Com tudo isto é normal que um homem, quando está sossegado a ver televisão, não queira ser chateado. Mas o tal sexto sentido delas funciona bem é nestas ocasiões, naquele momento em que estamos quase a dormir na sala: “Traz uma garrafa de água para a tua filha.”- grita ela. “Se ela é só minha deixa-a, que eu já a ensinei a beber directamente da torneira.” – penso eu, mas não respondo porque tenho algumas dúvidas se realmente ela está a falar comigo (por vezes acho que ela tem um homem imaginário, ou seja, aquele homem que ela gostaria que eu fosse, felizmente para ela a minha mulher imaginária desmazelou-se e engordou desalmadamente) “Então amor, traz a garrafa, por favor.”- continua ela. Agora tenho a certeza que não é para mim que está a falar (amor é só quando estamos na cama porra). “Olha lá, quando é que trazes a merda da garrafa de água para a tua filha se deitar sossegada”- grita ela. Ok, esta sim é a minha deixa. Quando elas começam a dizer asneiras temos que agir senão…. novas tarefas domésticas podem-nos ser atribuídas. “Olha lá, é preciso gritar e dizer asneiras à frente da moça, só porque eu estou com dificuldades em evacuar e por isso não posso atender logo ao chamamento da chefe suprema?”- digo eu, com um ar de quem acabou de passar por um grande sofrimento (porra, tive que sair do meu cadeirão e do meu quase sonho) e ao mesmo tempo indignado.
Mas depois acaba por aí? NÃO. Aí começa a verdadeira provação. Vamo-nos sentar os dois a ver televisão, quer dizer, ela a ler e eu a escrever, de vez em quando lá vem ela: “Olha lá, estou aqui a ler que…..O que é que tu achas disso?” (coisas do trabalho). Se um gajo passa o tempo a escrever estas coisas deve ser porque quer descontrair do trabalho. “Agora não quero falar nisso.”- respondo eu educadamente. “Estúpido, preciso da tua ajuda e é assim que me tratas.” Pronto, já a fiz feliz e dei-lhe assunto para a noite (temos que manter as nossas mulheres satisfeitas) só não sei como é que o homem imaginário dela aguenta depois, toda a conversa que se segue. Eu, no lugar dele, limitava me a abanar a cabeça e a dizer “hummm….tens razão….hummmm”.
publicado por Luis às 23:51
link do post | comentar | favorito
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar