casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Quinta-feira, 28 de Outubro de 2004
O bicho do mato (parte 2).....
Expressão usada pela minha mulher para indicar alguém tímido que gosta de estar sossegado no seu canto e que gosta de passar os seus tempos livres a brincar com não adultos de qualquer idade e/ou a escrever umas merdas, que o ajudam a desanuviar a cabeça, pois não tem paciência para aturar adultos, que são sempre chatos e que gostam imenso de ouvir a sua própria voz. Para que percebam melhor o significado da expressão eis o exemplo da mesma usada numa frase: “Porque é que tu foges sempre para o escritório quando temos visitas inesperadas? És mesmo um bicho do mato.” A última parte é dita com algum desprezo. Outra aplicação da mesma expressão noutra frase “Ó Bicho do Mato, porque é que tu fazes-me sempre passar vergonhas quando vêem cá bater à porta?”. Esta última refere-se ao facto de eu assumir que NA MINHA CASA posso ir à porta vestido (ou despido) como eu quero. E agora as justificações do alegado bicho do mato:
Em primeiro lugar, já nasci tímido, tanto assim que nasci de cu. Depois, segundo a minha mãe conta, nunca fui de chorar muito em bebe. Porquê? Porque andava a ver se passava despercebido. Fui crescendo e continuei a minha educação para bicho do mato. Não dava beijos a ninguém e abraços só se me pagassem (os meus honorários, se bem me lembro, eram de dois biscoitos por um semi abraço e de três biscoitos e dois rebuçados por um abraço normal). É óbvio que com a adolescência houve algumas mudanças, passei a gostar de receber beijos, abraços, apalpões, e mais uma série de outras porras que incluíam qualquer toque de gajas boas em qualquer centímetro quadrado do meu corpo. Infelizmente a minha timidez prejudicou-me bastante esta parte da vida. Fazia rir as moças, elas gostavam de mim, mas depois quando era para as conquistar… Obviamente que isso provocou em mim alguns traumas. Aquecia as moças mas depois deixava-as à espera de algo mais. Quem gostava disso eram os meus supostos amigos. O que eles se aproveitavam…. Felizmente existiam sempre umas mais avançadas, pelo que fui muitas vezes conquistado por elas. Atenção que não que me estou a queixar. Porra, ser atacado e usado por mulheres é o sonho de qualquer homem (bom, pelo menos até ele se casar, depois cansa-se depressa de ser usado para outras actividades não sexuais). Só existia um problema, como gostava de andar sempre a ser conquistado por moças diferentes, não gostava de andar muito tempo com a mesma, pelo que tinha que encontrar formas de acabar a relação. Para que pudesse voltar a ser reciclado mais tarde, não podia ser eu a terminar, tinham que ser elas. Assim, tinha que encontrar algo que fosse suficientemente forte para a relação terminar mas sem correr o risco de vir a prejudicar a minha futura reciclagem, após muitos testes cheguei à conclusão que a melhor técnica consistia em deixá-las a falar sozinhas enquanto eu olhava para outras moças que passavam. Bastava fazer isso duas ou três vezes para começarem uma discussão e tudo acabar ali.
No entanto, houve uma vez uma moça, que estava sempre tão absorvida na sua conversa, que nunca reparava nos meus olhares (agora que estamos casados repara em tudo e mais alguma coisa) e como não me consegui livrar dela….
Agora que os factos estão consumados é que se interroga, sempre que está zangada comigo (ou seja, dia sim, dia não e todos os dias sempre que está com o período) sobre as razões que a terão levado a ficar comigo. Como não gosto de a ver com dúvidas dispo-me, mas, para além de uma gargalhada (que eu entendo sempre como de incentivo, mas que aparentemente quer dizer outra coisa qualquer) não me parece que fique muito convencida.
Bom, conclusão: Sou um bicho do mato que gosta de o ser e que adora lidar com crianças de todas as idades (a mais velha que conheço tem cerca de 60 anos) mas que não tem paciência nenhuma para adultos.
publicado por Luis às 08:46
link do post | comentar | favorito
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar