casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Segunda-feira, 1 de Novembro de 2004
O dia da ida aos bolinhos…..
Na terra onde cresci (no Ribatejo) existe a tradição de, no dia 1 de Novembro os miúdos irem aos bolinhos. Como não quero que haja tradições (e bolos) que se percam, combinei com a nossa filha agarrar num saco e irmos correr a vizinhança em busca de coisas doces. Lembro-me que em puto, ia com os meus primos fazer o mesmo. Quando as pessoas não nos queriam dar bolos (o que obviamente era contras as regras estabelecidas) fazíamos um sinal para o meu primo mais novo, o qual tirava do coldre a sua pistola de água e ensinava às pessoas que não era de bom tom não respeitar as tradições. O facto de pormos sumo de limão na água e o facto do puto ter uma pontaria espectacular para os olhos, fazia com que nós nos sentíssemos como padres inquisidores a atacar hereges. O problema era quando chegávamos a casa e tínhamos a santa sé em peso à nossa espera para nos dar com um valente auto de fé.
Continuando. Hoje acordámos cedo. Bom, o acordámos é uma figura de estilo, sim, porque a moça ainda funciona à hora antiga e o raio do seu despertador só funciona ao fim de semana. Porque que é que os moços pequenos, embora não saibam os dias da semana, tem um sistema interno que lhes diz que é fim-de-semana e que por isso DEVEM de acordar mais cedo do que durante a semana? (onde fazem birras sempre que temos que os acordar) De qualquer forma, acordado ou não, lá tive que me levantar para ir aos bolinhos. Saímos, cada um de nós com o seu saco, e começámos a ir aos vizinhos pedir os bolos. A coisa até começou bem: “Aí que menina mais bonita a pedir bolinhos. E o pai, que querido a ajudar a filha. Toma.” E pumba, toca de enfiar broas e chocolates para dentro dos sacos. No entanto, existem ainda alguns cujo sumo de limão não deixou grandes marcas: “Ai, que queridos. Esperem que vou buscar umas laranjas.” LARANJAS, mas que merda é essa. Se quiséssemos dessas porras tínhamos ido a casa da minha sogra. “Mas laranjas não são doces.” Disse a nossa filha. “As minhas são muito docinhas.” Continuou ela. “Ó filha, isso não se diz.” Disse eu enquanto pensava: “Pelo menos só uma vez.” “Mas a tia disse para só aceitar ou bolinhos ou dinheiro.” Continuou a nossa filha a defender-se. Escusado será dizer que saímos de lá com a merda do saco a abarrotar de laranjas, que ficaram a ocupar o espaço destinado ao que de bom existe na tradição doceira da minha terra de origem. Felizmente encontramos outros putos que andavam no mesmo, e consegui convencê-los do alto valor monetário das laranjas, comparando com o dos doces (o consumismo para o qual a televisão apela tornou-me as coisas mais fáceis) E assim, acabamos com parte da concorrência e ainda trocamos as laranjas por alguns bolos (não muitos porque conheço as mães dos putos e não queria ficar mal visto). Continuámos a nossa ronda e como resultado conseguimos arranjar uma bela maquia de bolos e de dinheiro. Como o dinheiro não tem grande valor para a nossa filha, fizemos uma troca justa: Eu fiquei com o dinheiro e ela ficou com os bolos. É óbvio que fiquei a ganhar com o negócio, até porque depois de três bolos ficou enjoada e tive que fazer um esforço enorme para comer os restantes, porque todos sabem muito bem que, se os bolos não forem comidos logo, degradam-se rapidamente.
Agora estou com uma pequena indisposição, e embora a minha mulher me diga que é do excesso de bolos comido, eu tenho para mim que a causa resulta de uns bolos que uma das minhas antigas vizinhas me deu, ao mesmo tempo que dizia “Estes são especialmente e unicamente para si.” Agora que penso nisso, ela foi uma da massacradas com o sumo de limão. Porra, as cólicas estão a piorar. Tenho que terminar por aqui, mas não sem antes vos garantir que, para o ano, a pistola vai entrar em acção para ela aprender que as vinganças são coisas muito feias.
publicado por Luis às 21:56
link do post | comentar | favorito
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar