casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Segunda-feira, 15 de Novembro de 2004
É este fim de semana.....
Este fim de semana a nossa filha vai fazer anos. Quatro anos. Sim senhor, ainda faltam cerca de 20 anos para ela sair de casa e eu poder, finalmente, voltar a fazer sexo com a mãe dela, por todas as divisões da casa sem medo de ser apanhado.
O seu primeiro aniversário foi o único que passamos sozinhos, que bom que foi. A minha mulher mandou-me trazer um bolo para nós cantarmos os parabéns e apagarmos a vela. Tentei trazer algo de adequado à situação, e principalmente ao tamanho da nossa filha, assim trouxe um queque e uma vela. Obviamente que levei um ralhete porque sou um parvo e podia ter trazido um bolo a sério. Pois, é sempre o mesmo. Um gajo leva por tudo, se tivesse trazido um “bolo a sério” ralhava comigo por o comer logo todo, porque sou um gordo e sei lá mais o quê. Assim, como trouxe um queque, fui um sovina e outra vez um sei lá mais o quê. Bom, mas o que eu não me esqueço desse aniversário foi do olhar da nossa filha depois de lhe cantarmos os parabéns. Que coisa incrível, parecia mesmo que estava a dizer: “Mãe, abre as pernas que eu quero voltar para aí para dentro.”
O seu segundo aniversário foi bem pior. A minha sogra insistiu em vir cá ter connosco, pelo que qualquer recordação do mesmo foi eclipsada por esse facto.
O terceiro aniversário foi uma mini festa, vieram cá os meus pais, convidamos três ou quatro amigos dela e uns amigos nossos. Nada de especial, a não ser o facto de, como a nossa filha não conseguia apagar as velas com o seu sopro, resolveu apagá-las com o seu cuspo. Agora, só não percebo é porque razão ficaram todos depois a olhar para mim. Não é normal um pai ficar orgulhoso com os feitos da sua filha? Principalmente quando me deu muito trabalho ensiná-la a cuspir de forma certeira.
E chegamos ao quarto aniversário. Ainda não foi, mas já ando a ter pesadelos com o mesmo. Assim que a minha mãe nos telefonou nos primeiros dias deste ano (onde nos informou que, uma vez que ela tinha telefonado em primeiro lugar, era dela o direito de organizar os anos da nossa filha) que eu senti que as coisas não iam correr muito bem. Perguntamos à nossa filha onde ela queria comemorar os anos, na nossa casa ou no Ribatejo. Ela respondeu o óbvio, na sua casa com os seus amigos. Ou seja, vamos ter a casa cheia de putos histéricos, a minha sogra vem na Sexta-feira, os meus pais e os meu sogro também cá vêm ter e vamos ter ainda as mães galinhas de alguns do amigos(as) da nossa filha, inclusivé o seu suposto namorado, o qual vai sair daqui traumatizado psicologicamente (sorriso sarcástico).
Resumindo e concluindo: eu (o bicho do mato) vou ter a casa ocupada de putos aos berros e respectivas galinh...mães e dos meus sogros e dos meus pais (mais berros em perspectiva). Para piorar isto, a minha mulher já me ameaçou das consequências que teria uma súbita indisposição minha, que me levasse a sair de casa ou a me refugiar no nosso quarto. Isto só, porque hoje lhe disse que achava que estava a ficar doente (pois estava-me a começar a doer a garganta e a cabeça) e que esperava não ter que estar de cama quando a nossa filha fizesse anos. Também me avisou que qualquer telefonema para mim no dia de aniversário da nossa filha, será apenas e só por ela atendido, pois, segundo ela, os meus amigos são bem capazes de me quererem ajudar a safar de casa. Começo a suspeitar que tenho um espião no meio dos meus supostos amigos.
publicado por Luis às 23:08
link do post | comentar | favorito
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar