casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Quinta-feira, 18 de Novembro de 2004
A minha filha (parte 1).....

Inserido na semana temática dedicada à minha filha, resolvi escrever sobre o que de mais importante mudou na minha vida de casado desde que ela apareceu na nossa vida. Só passei a acreditar que realmente ia ser pai quando, durante o parto, tive o azar de me aproximar demasiado da minha mulher, estava ela a ter uma forte contracção. A dor que senti fez-me pensar que dali para a frente a vida ia deixar de ser como a conheci, até porque nunca mais consegui levantar o dedo médio da mão como deve ser (o que quando quero fazer o famoso sinal a alguém que me deixa frustrado pelo reduzido ângulo a que o consigo elevar).
Continuando. Se há coisa que muda radicalmente tudo é passarmos a ser responsáveis por alguém. É muita coisa para quem nem sabia muito bem qual o seu lugar no mundo (bom, ainda não sei, mas isso agora preocupa-me menos). Quando ela chegou a casa, lembro-me da depressão e do pânico por não saber lidar com ela: dar-lhe banho, mudar a fralda, vesti-la (em relação a esta, ainda hoje a minha mulher diz que eu não a sei fazer), etc.. Lembro-me muito bem dos primeiros meses em que ela tinha cólicas e respectivos choros que nos fizeram passar algumas noites menos boas. Lembro-me de ela acordar sempre demasiado cedo. Para alguém que, estava habituado a deitar-se às 2 da manhã e a levantar às 8.30, o facto de ter que passar a acordar às 6.30 obrigou-me a uma mudança de hábitos (hoje já não se levanta às 6.30, a não ser aos fins de semana. Ok estou a exagerar, é mais para as 7.30). Quantas vezes olhei para ela a dormir e pensei: Porra, SOU PAI. E quantas vezes olhei para ela quando estava com cólicas e dizia: PORRA, sou pai…. A única coisa que ela fazia na altura era comer, dormir e chorar. Tenho que admitir que o meu afecto por ela não veio logo que a vi. Até porque só me consciencializei que era pai, quando fiquei uns valentes dias sem sexo devido às mazelas do parto. Mas aos poucos, e em poucos dias, passei a saber o significado de amor incondicional. O mais estranho é que esse amor parece que continua a aumentar de dia para dia. É um facto que os primeiros meses, não têm muita piada, mas à medida que vai crescendo começam a surgir pequenos pormenores que nos dão a conhecer o poder da genética, tal como o facto de ela nunca ter gostado que a abraçassem ou que lhe dessem muitos beijos, a não ser o pai e a mãe e mesmo assim tem dias. Para além desses, era um "chega para lá" muito parecido com o do pai (palavras da mãe).
Algo que eu não esqueço é da sua primeira doença. Febre alta, uma cara de partir o coração e um choro baixo e de dor. Confesso que entrei em pânico, não percebo como a minha mulher consegui manter a calma e acalmar-me também (tem algo a ver com o facto de ter mamas, mas isso são teorias). Fomos a correr para a pediatra e ela, com a maior das calmas (mais uma vez o facto de ter mamas deve ter alguma a coisa a ver com a forma como as mulheres conseguem lidar com as crianças) pressionou o pequeno ouvido da nossa filha e foi o suficiente para dois berros de dor. O primeiro da nossa filha e o segundo dado por mim resultante do primeiro. Bom, a partir daí e durante alguns meses (ia dizer anos mas isso ia parecer mal) sempre que a via mais triste, carregava-lhe no ouvido, só para despistar outra possível otite. Isto dava origens a choros de chateada e mais tarde a queixinhas junto da mãe.

publicado por Luis às 19:05
link do post | comentar | favorito
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar