casado

Ver perfil


RSS


Façam-me Feliz

Google

Fogueira de Vaidades

Comercial.mp3
Antena3.mp3
JornalismoPortoRád...

visitas obrigatorias

casado

Diário de bordo 6346...

Diário de bordo 3635...

Diário de bordo 345

Diário de bordo número qu...

Diário de bordo...4

Diário de bordo...3

Diário de bordo...2

Diário de bordo...

Mas que raio....

Mais uma mulher na minha ...

casado

Quarta-feira, 1 de Dezembro de 2004
Pragas......
Porra. Deixaram-me uma praga no meu sistema de comentários. Nunca tinha recebido uma praga pela rede. Aliás, a última praga que me tinham lançado foi há muitos, muitos anos. Foi durante uma bulha, das muitas que tive, com a minha irmã. Ela era (humm….era???) um bocado (humm…..um bocado???) embirrante e andava constantemente a arranjar situações para me chatear (humm…andava????). No entanto aprendi a lidar com essa embirração constante. Deixava-a começar e depois gozava com a situação e ria-me dela. Ui…Ela explodia e eu cada vez me ria mais. Então um dia, depois de esgotada, lançou-me uma praga. Com o braço e a mão bem esticada a apontar para mim disse-me: “Tu vais ver. Ainda vais pagar por todo o mal que me estás a fazer.” E pronto. Agora aqui estou casado. Bom, estou a exagerar, a minha mulher não é tão embirrante como a minha irmã. Quer dizer, tem dias. Bom, para ser honesto tenho que admitir que por vezes faz coisas que eu só posso entender como pura embirrice, como por exemplo a sua constante vontade em me mostrar como devo vestir a nossa filha todas as manhãs, ou a sua constante implicância com a minha forma de cozinhar, até parece que comemos batatas fritas todos os dias (bom, agora já não, pois penso que finalmente consegui amortizar o valor da fritadeira). Mas também o que seria a nossa vida sem um pouco de embirrice de parte a parte? Parte é a minha mulher e a outra parte, obviamente, é a minha filha: “Pai, tira já as tuas coisas de cima das minhas barbies.” Não vou falar da minha sogra, porque isso já não é praga é maldição. Se eu acreditasse em entidades superiores pensaria que a minha sogra foi colocada na minha vida para testar o meu optimismo pela espécie humana.
Mas voltamos à praga via net. Assim que mostrei à minha mulher a praga, ela, na sua religiosidade, disse: “Porque é que tu deste confiança a esse fustrado? Agora vês onde te meteste? Apaga já isso.” (obrigado pá. A praga já começou a funcionar) Dei confiança? Então o gajo chega aqui à minha casa e diz-me que, devido ao meu ateísmo, deus me vai dar um câncer na próstata e depois ainda me chama uma série de nomes feios. Ora, o que podia um gajo como eu fazer? Obviamente que a minha mulher tem o exclusivo de me chamar nomes feios e mais ninguém pode fazê-lo sem que para isso pague, e bem, por esse direito. Assim, e como entendi que uma pessoa tão religiosa como ele (porra, são sempre homens, a falta de sexo nos homens é muito mais grave que nas mulheres) depois de ter escrito o que escreveu, iria certamente autoflagelar-se, resolvi tentar atenuar a sua penitência, introduzindo no seu comentário, algumas alterações que, no meu entendimento de ateu, mostram o que se passa na sua pobre alma, esperando desta forma, que deus, na sua divina tolerância, atenuasse o seu castigo (porra, que hoje estou para o religioso, tenho que ir depressa para a cama ter com ela ver se isto me passa). No entanto, o meu amigo religioso (sim amigo, porque tenho uma certa empatia pelas pessoas que têm menos sexo que eu) não gostou que eu me metesse na sua penitência e disse (certamente com o braço e a mão esticada) que o comentário passou a praga. Depois de ter três arrepios (porque entretanto fui mijar) pensei no que ele me disse. Cancro na próstata…. Bahh, é sinal que passo a mijar tantas vezes como a minha mulher, e deixo-me de chatear sempre que ela insiste em parar nas viagens de carro que fazemos.
De qualquer forma moço, que sejas feliz com o teu deus e que tenhas muitas ejaculações a pensar na minha praga. Lembra-te que, quantas mais tiveres, menores são as probabilidades de teres essa coisa (pelo menos esta é uma das desculpas que dou à minha mulher).

P.S.- Só apaguei os comentários porque a censura o exigiu. De qualquer forma e para evitar mais problemas com o lápis azul, qualquer outra praga deve ser enviada directamente para o céu, onde alguém lá em cima a poderá reencaminhar para mim, sem necessidade de passar pelo meu sistema de comentários. Agradecido.
publicado por Luis às 23:50
link do post | comentar | favorito
|

Olha! O Livro!


Agora em versão digital! Com mais posts por muito menos Euros!

livro

À venda em todas as lojas da Amazon!

blogs


referer referrer referers referrers http_referer




pesquisar